CONCEG participa de audiência pública para debater atuação da Enel em Goiás

O presidente do Conselho de Consumidores de Energia Elétrica do Estado de Goiás (CONCEG), Wilson de Oliveira, representante da classe industrial, e o conselheiro da entidade, Félix Curado, representante da classe rural, participaram neste sábado, 15/02, da audiência pública realizada pelo deputado federal Vitor Hugo, com o objetivo de debater o contrato e o serviço prestado pela Enel Distribuição Goiás, no âmbito do Estado.

O evento, realizado no auditório da Fundação Tiradentes da Polícia Militar, em Goiânia, contou com a presença de várias autoridades, dentre elas: o Governador Ronaldo Caiado; o senador da República, Vanderlan Cardoso; os deputados federais Flávia Morais, Glaustin da Fokus e Francisco Júnior e Vitor Hugo; o deputado estadual Paulo Trabalho; o presidente da Enel, José Luis Salas; o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, Rodrigo Limp; o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Sandro Mabel; além de representantes do Ministério das Minas e Energia; OAB; Agência Goiana de Regulação (AGR); prefeitos e vereadores de várias cidades; e várias outras autoridades e representações classistas.

Após a abertura dos trabalhos, feita pelo deputado Vitor Hugo, a primeira parte da audiência pública, teve uma exposição do presidente da Enel Goiás, José Salas e técnicos da concessionária, que fizeram uma ampla apresentação sobre os investimentos já realizados e a realizar pela companhia, com destaque para a construção de seis novas subestações de energia, além da melhoria e ampliação da rede, modernização de sistemas operacionais, dentre outros. De 2017 a 2019, o volume de investimentos foi de mais de R$ 2 bilhões e, de acordo com Salas, este ano a previsão é de investimentos da ordem de R$ 1,1 bilhão.

Na segunda parte, as autoridades com assento na mesa fizeram uso da palavra. O discurso mais aguardado foi o do governador Ronaldo Caiado, que reiterou seu posicionamento crítico em relação à Enel que, segundo ressaltou, não tem atendido a contento a população goiana e nem cumprido com os compromissos firmados, nem as metas estabelecidas no acordo que foi firmado em fevereiro do ano passado, inclusive, disse, conforme os dados que foram demostrados na reunião não por ele e sua equipe, mas pela ANEEL, que é o órgão regulador.

Balanço positivo

O presidente do CONCEG, Wilson de Oliveira, considerou positivo o resultado da audiência pública, pelo fato de a mesma trazer de forma clara e transparente, o que a Enel já fez e pretende fazer para que haja uma melhora na prestação de serviços, que é o objetivo de todos. Ele pontua que o CONCEG, dentro do seu papel, cobra maior empenho da companhia e acredita que, se os resultados ainda não aconteceram no curto prazo, eles devem aparecer no médio e longo prazo, uma vez que os investimentos estão sendo realizado. E considerou fundamental o forte apelo para a união em torno da resolução dos problemas.

O conselheiro Félix Curado, por sua, tem tido uma atuação destacada de firme cobrança de ações por parte da Enel Goiás, para resolver os problemas que afetam o setor rural, um dos mais penalizados com a crise energética, após o início das operações da Enel em Goiás. Em todas as reuniões do CONCEG, inclusive, ele tem mantido esse posicionamento firme na defesa de sua classe representativa.

Na terceira e última parte, foi aberto o espaço para perguntas dentre os presentes que se inscreveram para o debate. O presidente da Fieg, Sandro Mabel, um dos oradores, disse que há uma preocupação, nesta crise, com a insegurança jurídica que poderia ocorrer numa eventual quebra de contrato e, ainda, disse confiar nos investimentos que estão sendo feitos pela concessionária. Ele considera que o pior da crise já está passando.