Eletricidade: especialistas alertam sobre os cuidados com instalações em casa

Por Ana Rita Noronha

Há poucos dias, um grande incêndio em uma casa localizada no Residencial Copacabana, em Anápolis, deixou moradores e vizinhos amedrontados. O motivo, segundo o Corpo de Bombeiros, seria um curto-circuito. Por sorte a corporação agiu rápido e os domiciliados saíram ilesos. Entretanto, o lugar, assim como objetos e móveis, ficou bastante destruído.

Para evitar que esses problemas se repitam, a reportagem do Portal CONTEXTO ouviu especialistas que deram dicas e indicaram cuidados a serem seguidos.

Conforme explica o Coordenador da equipe de Técnicos de Segurança da Enel Distribuição Goiás, Matheus Aquino, é imprescindível que o morador tenha o sistema elétrico da residência adequado e com a manutenção em dia.

“Um dos principais cuidados é fazer o dimensionamento correto dos circuitos para evitar a sobrecarga da rede e curto-circuito que, dependendo do caso, pode evoluir para um incêndio. Usar o dispositivo DR no quadro geral para proteger as pessoas de choques elétricos em caso de fuga de corrente é obrigatório nos projetos de novas construções. Chamar um profissional capacitado para fazer essa avaliação é essencial”, aconselha.

Ainda segundo Matheus, “erros” básicos cometidos pelas pessoas cotidianamente precisam, com urgência, ser extintos. Um deles é o uso de “T” ou “benjamins” na tomada para plugar vários aparelhos. Esse, segundo o especialista é um erro clássico e que pode resultar em acidentes graves.

“As pessoas usam esse adaptador para poder ligar mais de um eletrodoméstico na mesma tomada e sobrecarrega o circuito, que esquenta e pode gerar um curto-circuito e até incêndio dependendo da proporção”, alerta ele, ao recomendar o uso de filtro de linha para uso de equipamentos de baixo consumo de energia, pois este possui um fusível, que queima em caso de sobrecarga e preserva os equipamentos e a rede elétrica.

Dados divulgados pela Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), referente ao ano de 2020, apontam a ocorrência de 1.502 acidentes de origem elétrica em todo o país. Desses, quase 800 foram fatais. No levantamento, as principais causas são choques (853), incêndios por sobrecarga (583) e descarga atmosférica (66).

Barato sai caro…

De acordo com o Tenente Licurgo, do Corpo de Bombeiros de Anápolis, outro fator que agrava o risco de acidentes são as procedências duvidosas dos eletrodomésticos.

“O mais barato, quase 100% das vezes, sai mais caro. É de extrema importância que a população fique atenta em relação à procedência dos aparelhos eletrônicos. Antes de comprar, verifique se é, ou não, verificado. Isso faz toda diferença e pode evitar acidentes fatais”, completa.

(Texto publicado originalmente no Portal Contexto)
Confira o quadro com as dicas de segurança dentro de casa