Plataforma disponibiliza informações do sistema energético brasileiro

O Sistema de Informações Energéticas (SIE Brasil) já dispõe dos dados do Balanço Energético Nacional 2021, com séries históricas até 2020. Esse avanço ocorreu logo após sua aprovação como o sistema oficial de informações energéticas do Brasil pelo Ministro de Estado de Minas e Energia, Bento Albuquerque, por meio da Portaria Normativa MME nº 12, de 3 de maio de 2021. 

As consultas são intuitivas e estruturadas, e a interface do sistema, amigável, fazendo com que qualquer informação seja facilmente acessada, através do site: https://www.mme.gov.br/SIEBRASIL/.

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), em cooperação com o Ministério de Minas e Energia (MME) e os órgãos e empresas jurisdicionadas, concluiu os levantamentos relativos às cadeias energéticas do exercício 2020, resultando em uma matriz relacionando 60 formas de energia com mais de 100 atividades de oferta e demanda de energia.

Como destaques do BEN 2021, tem-se que a Oferta Interna de Energia do Brasil recuou 2,2% em 2020, em razão dos efeitos da pandemia do COVID-19.

As fontes renováveis praticamente não foram afetadas pela pandemia, tendo sua oferta aumentado 2,5% naquele ano. Já as fontes não renováveis tiveram um recuo de 6,2%, tendo o transporte aéreo, a indústria metalúrgica e o transporte de veículos leves registrado fortes baixas no consumo de combustíveis fósseis. Assim, as fontes renováveis passaram a uma participação de 48,4% na Matriz Energética de 2020, contra o indicador de 46,1% em 2019 (14% no mundo).

A energia solar foi o destaque em 2020, com aumento de 61,5%.

O aumento de 4,4% na produção primária de energia permitiu ao País um superávit líquido de energia de 11,0% em 2020, indicador bem superior ao verificado em 2019, de 5,1%. Petróleo ficou com superávit de 68% e derivados de petróleo com déficit líquido de 4,0%. (Informações do Ministério de Minas e Energia)